Skip to Menu Skip to Content Skip to Footer

Pesquisar

Movimentos

Com efeito, o corpo é um e, não obstante, tem muitos membros, mas todos os membros do corpo, apesar de serem muitos, formam um só corpo. Assim acontece com Cristo. Pois fomos todos baptizados num só Espírito para ser um só corpo, judeus e gregos, escravos e livres, e todos bebemos de um só Espírito. (1 Cor 12, 12 - 13)

_________________________________________________

Caminho Neo-catecumenal

“O Caminho Neocatecumenal, isto é o itinerário de iniciação cristã percorrido pelas chamadas comunidades neocatecumenais, não é o resultado duma planificação pastoral. A sua origem apresenta as características duma iniciativa de Deus, surpreendente e gratuita. (…)

O Caminho baseia-se em instituições cristãs fundamentais (o anúncio da Ressurreição de Jesus Cristo, o Servo de Deus, como sentido da cruz de cada pessoa, a redescoberta do Baptismo como meta, o catecumenato como caminho de conversão e de fé…), aferidas pela experiência das comunidades pioneiras, aprofundadas pela clarificação histórica, teológica, litúrgica, espiritual… e pela atenção sempre posta nas orientações dos Bispos, particularmente do Bispo de Roma. (…)

O Caminho Neo-catecumenal é uma iniciativa pós-conciliar. Pressupõe sempre o Concílio. Se este não tivesse acentuado que, onde se prega o Evangelho e se celebra a Ceia do Senhor, lá acontece a Igreja de Deus e que “Cristo está presente nestas comunidades, por mais reduzidas, pobres e dispersas que sejam e congrega, pelo Seu poder, a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica” (Lumen Gentium, 26), não estaria aberto o caminho para o reconhecimento da comunidade como realização concreta da Igreja”. (…)

A Comunidade não se reúne primordialmente para estudar, nem para reflectir em comum, nem para combinar acções, nem para programar campanhas…, mas para celebrar a Palavra de Deus e a Eucaristia. É este o trajecto do seu itinerário”.

 

O texto acima (constituído por excertos de um livro de D. Ricardo Blázquez, Bispo auxiliar de Santiago de Compostela, editado em Portugal no ano de 1988) destina-se unicamente a apresentar e a situar no seio da nossa realidade paroquial o caminho neo-catecumenal.