Skip to Menu Skip to Content Skip to Footer

Pesquisar

Catequese Paroquial

  • Catequese Paroquial da Infância



Durante o Baptismo faz-se a seguinte pergunta aos pais que apresentam as crianças para receberem esse dom: «Caríssimos pais: pedistes o Baptismo para o(a) vosso(a) filho(a). Deveis educá-lo(a) na fé, para que, observando os mandamentos, ame a Deus e ao próximo, como Cristo nos ensinou. Estais conscientes do compromisso que assumis?»

Para ajudar a viver este mesmo compromisso existe a Catequese Paroquial para as crianças.

  • Catecumenato (ou catecumenado)

A Iniciação Cristã de Adultos [todo aquele que tiver mais de 6 anos de idade]

Noção e história

Ninguém nasce cristão. Tornar-se cristão implica uma iniciação com várias etapas. (V. catecumenato). Faz-se à maneira de caminhada progressiva, dentro duma comunidade de fiéis. O itinerário pode ser percorrido diversamente, consoante as circunstâncias pessoais e ambientais, mas inclui essencialmente: o anúncio da palavra de Deus, o acolhimento do Evangelho (conversão), a profissão da fé cristã e os sacramentos do Baptismo, Confirmação e Eucaristia (CIgreC 1229ss). A iniciação cristã dos adultos conheceu grande desenvolvimento nos primeiros séculos (primeira expansão do Cristianismo, tempo das perseguições, grande afluência de candidatos com a paz e os favores concedidos à Igreja pelo Império, entrada dos povos bárbaros); entrou em decadência com a generalização do baptismo das crianças e com o ambiente cristão da Idade Média; manteve-se ou foi recuperado em terras de missão até aos nossos dias; e com a descristianização actual, o Concílio Vaticano II (SC 64ss) restaurou-a na Igreja latina para os adultos; encontra-se regulada pelo Ritual da Iniciação Cristã dos Adultos (RICA).


Estrutura

A iniciação cristã dos adultos, no seu desenvolvimento completo (susceptível de adaptações pessoais e locais), inclui os seguintes tempos e passagens:

a) “pré-catecumenato” ou tempo de evangelização da parte da Igreja, e da conversão inicial da parte do candidato;
b) “catecumenato” ou tempo da catequese e dos ritos conexos, que pode anos, terminando com a “eleição”;
c) ”purificação” e “iluminação”, ou tempo de intensa preparação espiritual ao longo duma Quaresma, a preparar proximamente para os sacramentos da iniciação;
d) finalmente, depois do Baptismo, Confirmação e Eucaristia (primeira Comunhão) na Vigília Pascal, o tempo da “mistagogia”, ao longo dos 50 dias da Páscoa, destinado à experiência da vida sacramental e à inserção na comunhão dos fiéis.


Adaptações

Este é o esquema paradigmático, em princípio destinado à iniciação cristã dos adultos. No caso das crianças até ao uso da razão, na Igreja latina, o Baptismo é logo conferido, com a garantia de posterior educação cristã, a qual corresponde a um catecumenato pós-baptismal (catequese) que prepare para a Primeira Comunhão e para a Confirmação (segundo decreto da CEP). Nas Igrejas do Oriente, as crianças recebem conjuntamente os três sacramentos da iniciação cristã (comungando sob a espécie de vinho). As crianças em idade de catequese são baptizadas e fazem a Primeira Comunhão depois de um tempo de catequese suficiente para tomarem consciência destes sacramentos, diferindo-se a Confirmação para o termo da catequese de adolescentes. A prudência pastoral ditará as simplificações e as abreviações convenientes ou necessárias, aliás previstas no RICA, nomeadamente para o caso de perigo ou artigo de morte. (in Enciclopédia Católica Popular)